SOCIAL MEDIA

O ato de maternar

12 de novembro de 2019
O ato de maternar
imagem do instagram experimenta mãe

Hello pessoas, como estão? 

Bem... a frase diz tudo!

Estou fazendo uma nova graduação em pedagogia, e de uns tempos para cá eu tenho me envolvido mais com a educação devido ao meu trabalho voltado para práticas de leituras no youtube. Senti que precisava me especializar e por isso decidi voltar aos estudos.

Mas o assunto aqui não é esse, decidi trazer para fundamentar de onde minhas bases sobre criação de filhos estão alicerçadas. Tenho buscado conhecimento em livros, vivencias na educação.

Percebo que há muitos problemas que envolvem de maneira geral essa questão do educar, do criar nossos filhos, do meio social estar inserido diretamente em tudo! A maioria das minhas melhores amizades trabalham com a educação e elas tem me pontuado muitas situações que eu nunca havia pensado antes. Pelo menos nesses 15 anos maternando.

Educar alguém é algo extremamente complexo e difícil. É preciso que você saiba onde quer chegar, onde vai. Precisa se atualizar, reciclar, estar por dentro de assuntos que talvez nem sejam legais para você, mas se envolvem seus filhos eles se tornam automaticamente prioridade na sua vida.

Bem, isso é o que acontece comigo, Monalise, aqui do outro lado da telinha. Imagino que seja também a realidade para muitas leitoras aqui do blog. #fato

Você não consegue educar uma pessoa sozinha, ela precisa conviver com o outro e ter atitudes que são aprendidos em casa, mediante valores familiares. Sim mas o que isso tem a ver???
Calma, eu te explico! SEU FILHO NÃO VAI VIVER EM UMA BOLHA, NÃO VAI SER VOCÊ, aliás não vamos entrar no mérito de projetar na criança seus sonhos... O que eu quero que você entenda é que o seu filho não pode ser um robô que executa sempre as mesmas coisas do mesmo modo sempre.

A frase acima explicita bem sobre o “maternar” atual que vivemos. Educamos nossos filhos para que se tornem pequenas máquinas sem capacidade de raciocinar e de ouvir o que o outro tem a dizer.

O verbo respeitar nessa frase não tem qualquer sentido quando comparado ao querer. Querer não é poder. Querer é desejo, por isso íntimo, particular. Você deseja que as pessoas não interfiram na educação e no seu maternar, mas será que suas práticas estão corretas? Será que essa forma de agir vai mesmo ajudar seu filho em um futuro muito próximo?

Deixo essas questões aí no ar para que você leitor pense. E desejo que seu maternar seja pacífico e pontual no sentido de enxergar o outro.

Um comentário :

Vamos trocar conhecimento, obrigada por comentar!